SANTOS E THEODORO
Publicado em 27 de set de 2013Nenhum Comentário

Enfermeira de AL luta na Justiça para receber benefício saúde do INSS


A penitência em busca de justiça social vem tirando o sono da técnica de enfermagem, Valéria Maria Santos de Paula, que vive em Arapiraca. Diagnosticada em outubro de 2012 com hérnia de disco ferominal, problema que reduz a mobilidade do corpo e provoca fortes dores, ela busca na Justiça o direito de receber o benefício saúde dos meses que se manteve afastada do trabalho e o reconhecimento junto ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) para continuar o tratamento médico longe do serviço.

“Me sinto humilhada porque depois de tantos anos de trabalho adoeci e estou sendo tratada como uma estelionatária pelos médicos do INSS, que alegam que meu problema de saúde não afeta minha condição de trabalho. Perdi a força de uma das pernas, sinto dores e estou com os movimentos limitados; situação considerada como séria pelos médicos do trabalho que expõem que a volta a função que exerço pode resultar no agravamento da lesão”, relata Valéria Maria.

Afastada do trabalho temporariamente após passar por procedimentos invasivos por infiltração, Valéria Maria ficou sem salário e sem benefício. “Fui encaminhada para o INSS em dezembro de 2012, em 4 de julho deste ano, após uma nova perícia, cortaram o benefício de R$ 994 que nunca foi pago e exigiram a minha volta ao trabalho. Assim, entrei na Justiça para tentar receber o dinheiro que tenho direito e nunca recebi. Entrarei com outro processo exigindo uma nova avaliação médica”, conta, ao expôr que, sem salário e benefício, está vivendo com a ajuda do filho e de amigos.
Quando a reportagem do G1 esteve na casa da técnica de enfermagem, ela estava sem receber salário e com 3 meses de contas atrasadas, entre aluguel, água, luz. Valéria Maria disse que estava recebendo doações dos amigos do trabalho para custear os medicamentos e até mesmo alimentação. No dia anterior, ao passar por nova triagem médica, ela teve novamente o benefício negado.

“Além de tudo que está acontecendo comigo o mais absurdo é o tratamento dentro do INSS. São horas de esperas e avaliações mal feitas. Para se ter ideia, em um dos exames uma médica começou o procedimento e passou para outra. Nenhuma das duas se deram ao trabalho de olhar os exames que tenho e mal avaliaram minhas condições de saúde. Abri um processo também na Ouvidoria do INSS, mas também não recebi resposta”, completou.

A técnica de enfermagem trabalha em três unidades de saúde que ficam localizadas no Agreste e Sertão. Ela é funcionária de um hospital em Palmeira dos Índios e Santana do Ipanema, e funcionária pública da prefeitura de Igaci. Para se deslocar aos trabalhos diariamente, faz uso de veículos de transporte alternativo, o que implica em mais problemas na mobilidade.

INSS
Ao falar com a reportagem do G1 o Chefe da Seção de Saúde do Trabalhador do INSS emAlagoas, Luiz Carlos Santana Marciel, tomou conhecimento do número de protocolo da beneficiária e disse que os médicos que avaliaram Maria Valéria constataram que ela se recuperou do problema de saúde e pode retornar ao trabalho.

“No entanto, ela tem o direito de recorrer do resultado e solicitar uma nova avaliação médica. Algo que, segundo o protocolo, foi feito. E diante de novo exame o resultado foi ratificado pelo médico que considerou a mesma decisão anterior ao não constatar incapacidade para o trabalho. Quanto ao processo judicial, o INSS deverá aguardar a decisão para cumprir o que foi determinado”, disse Luiz Carlos Santana.

 

Fonte


Deixe o seu comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou diretamente do seu site. Também pode subscrever via RSS. Seja agradável, mantenha este tópico limpo, sem spam

Nosso Blog aceita avatar. Para obter o seu avatar personalizado cadastre-se em Gravatar.

Nome (obrigatório) e-mail (obrigatório) website (opcional)

17 3235.6078 | 3235.3892
como chegar
© 2011-2020 - Santos e Theodoro - Todos os direitos reservados.
Design e Desenvolvimento TLN Design
Powered by WordPress